Professor Pablo Jamilk explica com base linguística porque Karol Conká errou ao criticar a fala de Juliette

0

Nos últimos dias muito se falou sobre o preconceito com os diferentes sotaques, isso porque a cantora Karol Conká, participante do reality show Big Brother Brasil, criticou a nordestina Juliette por conta de seu sotaque forte.

O professor Pablo Jamilk, natural de Cascavel no Paraná, entrou na polêmica para explicar se é errado a forma como algumas palavras são pronunciadas nos mais diferentes sotaques que temos no Brasil.

Primeiramente Pablo, explica que o sotaque é uma forma particular de realização de determinados sons, essa forma particular é construída por uma série de fatores; a região onde a pessoa nasceu ou mora, o grupo social a que pertence, classe social e também a idade.

Existem diversas distinções de sotaques ao redor do mundo, como por exemplo na língua inglesa, temos uma diferença enorme entre o inglês britânico e o norte americano, ou até mesmo da língua espanhola falada na Espanha para o espanhol da Argentina, por exemplo.

Essas formas distintas são muito comuns, e às vezes contribuem até para a existência de novos dialetos.

O sotaque não é uma forma incorreta de fala, porque não podemos pensar em um sotaque padrão. NÃO EXISTE FALA PADRÃO, o que é padrão é a gramática, ou seja, o padrão existe na escrita, e não na fala, que não pode ser padronizada.

Gostar ou não de um sotaque é apenas estética, e isso não faz dele algo correto ou incorreto, pois não se pode fazer distinção de certo ou errado em relação ao sotaque.

A fala é uma instância completamente particular, um traço distintivo individual que não pode ser corrigido, pois isso seria uma prática de preconceito linguístico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.